O que eu faço no Chile, afinal?

Bastante gente me faz essa pergunta, então acho que já passou da hora de eu contar um pouco a respeito do que, afinal, eu faço aqui no Chile (além de comer pra caramba e tirar um monte de fotos hahaha), com que eu trabalho e etc. Então, vamos lá.

Antes de tudo, a pergunta que não quer calar: “Luiza, você viaja de graça?” hahaha. Não gente, infelizmente eu não viajo de graça, nem sou paga para viajar, mas sim, eu trabalho com turismo (também)!

Pra quem não sabe, faço parte do time da Plurality Global Institute, um instituto de idiomas e intercâmbios daqui do Chile. Decidi contar um pouco mais da Plurality aqui pra vocês pra matar um pouco a curiosidade de alguns sobre “o que eu faço aqui” e também servir como dica, pois sei que a maior parte dos seguidores é bem fã do Chile e de Santiago e doido pra vir conhecer ou matar a saudade desse lugar sensacional <3.

Nós trabalhamos basicamente com tudo o que você precisa para passar um período legal e ainda aprender espanhol aqui no Chile (também temos cursos de inglês e Português, mas considerando que meus leitores são, em maioria, brasileiros, melhor focar no Espanhol, ok? Qualquer dúvida que tiverem podem me escrever!).

Por exemplo, se você vai tirar férias, quer viajar e ainda aprender outro idioma, temos cursos intensivos de espanhol já com passeios turísticos e culturais com guias locais e brasileiros (nos primeiros dias é bom alguém que fale a língua da gente caso precise né) pra te levar conhecer Santiago e arredores enquanto pratica o espanhol.

Eu sei que vão achar que tô “puxando a sardinha” pro meu lado hahaha mas garanto que fazemos nosso trabalho com o maior amor possível e uma qualidade sem comparação! Fui cliente da Plurality quando mudei pra cá e podem ter certeza de uma coisa, não entraria pro time se não acreditasse na qualidade, eficiência e profissionalismo A equipe pedagógica tem mais de 20 anos de experiência nos três idiomas, o que facilita muito pra nossa (falo como aluna) aprendizagem, uma vez que é bem mais fácil aprender um idioma novo com um(a) professor(a) que também conhece muito bem o nosso.

“Você dá aulas de português?” é outra pergunta que recebo muito de todo mundo pra quem eu conto onde trabalho. Não, eu não sou professora. Admiro e respeito muito a profissão e, justamente por isso, não acho que eu tenha “dom” nem formação suficiente para isso. Como eu costumo dizer, “deixo essa parte pra quem sabe o que está fazendo” e posso garantir que a equipe pedagógica sabe MUITO bem hahaha. Mas se vierem pra cá, muito provavelmente serei eu quem vai ajudar vocês com a hospedagem, os passeios e até as passagens aéreas se precisarem, ok?

Ah, sabe esse monte de fotos de lugares incríveis que eu vivo postando? Pode deixar que a gente leva vocês pra conhecer! Inclusive, vários desses lugares são parte de passeios já incluídos nos cursos, ou seja, você não paga nada a mais por eles! Legal né?

Não vou ficar aqui contando cada detalhe sobre os cursos e as opções de pacotes disponíveis pra não deixar o post tão grande, mas posso montar outro mais completo depois se quiserem, principalmente contando como foi a minha própria experiência com a Plurality quando cheguei em Santiago!

Deixo pra vocês o site e todas as redes sociais da Plurality! Podem encher a gente de perguntas (em português mesmo) que teremos o maior prazer em responder! Inclusive, fica o convite para virem conhecer nossa ‘oficina‘ (oficina é escritório em espanhol, pra quem tiver curiosidade) quando quiserem! Mandem uma mensagem em qualquer contato (inclusive no Whatsapp) e marcamos um horário pra receber todo mundo!

Página web: http://pluralityglobal.com/ (Caso seu navegador te direcione para o site em espanhol, é só clicar no ícone de Português no canto superior direito, ok?

Facebook: Plurality Global Institute (@pluralityglobal)

Instagram: @pluralityglobal

Whatsapp: +56 9 4532 9494

E-mail de contato: info@pluralityglobal.com

Fico esperando o contato e a visita de todo mundo! São todos muito bem vindos!

Um abraço a todos,

Luiza

Dicas e inspirações para viajar sozinha/o (aka: #viajosozinha se eu quiser, sim!)

Hoje, em meio a procrastinações na internet, num dia de gripe de gripe daquelas que derrubam a gente, me deparei com a seguinte reportagem da BBC:

#ViajoSozinha: Como a morte de duas turistas argentinas levou a debate sobre assédio

Pra quem não está com paciência para ler esse texto aqui e mais o da BBC, vou dar aquela resumida amiga. Duas jovens argentinas de vinte e pouquinhos anos saíram para fazer um mochilão pela América Latina e foram assassinadas no Equador. Além da fatalidade e do crime por si só, surgiram MUITOS comentários condenando a atitude delas de viajarem sozinhas sendo mulheres, e presumindo que elas, certamente, teriam tido alguma atitude que levou às suas mortes (Sim, o ‘que roupa estavam usando?’, ‘eram muito de ir em festa?’, ‘como assim estavam sozinhas?’ que a gente já está cansada de ouvir. E sim, pessoas – se é que podemos chamar assim – ainda culpam vítimas de assédio, estupro e/ou assassinato pelo próprio assédio, estupro e/ou assassinato que sofrem).

Isso, obviamente (e graças ao bom Deus) levantou um debate sobre ‘até quando vão culpar as mulheres pelo assédio e violência que sofrem?’ e ‘é seguro para uma mulher viajar sozinha?’. Eu não vou ficar aqui debatendo a primeira parte porque, quem me conhece, sabe muito bem o que eu penso, e esse é um assunto que me revolta num nível, que eu sou capaz de escrever um livro só com palavras de baixo calão que, para mim, descrevem muito bem quem tem pensamentos tão machistas como esses.

Assim sendo, e considerando que o foco desse blog agora é viagens, vamos falar sobre viajar sozinha. Eu, Luiza, nunca caí no mundo para uma solo trip (ainda), mas também não deixaria de viajar pelo fato de “ter que” ir sozinha. Vamos lá, o que te levaria a viajar sozinha? Provavelmente, um dos itens abaixo:

  • Ninguém quer ir pro mesmo lugar/na mesma data que você. (Nesse caso, você perderia a oportunidade de conhecer determinado lugar porque ninguém quer/pode ir com você?)
  • Sua companhia desistiu na última hora. (As reservas estão todas feitas e você está no ápice da expectativa. Sua companhia miou. Vai desistir também?)
  • Você não quer companhia. (‘To afim de pensar na vida, espairecer, refletir um pouco, e preciso fazer isso sozinha e longe de casa’. Bom. Nesse caso, se levar alguém junto, não vai rolar nada disso, certo?)

A questão é: viajar sozinha/o é um tema que está muito em alta atualmente. Há não muitos anos atrás, as pessoas nem viajavam tanto, muito menos sozinhas. Hoje em dia é muito mais fácil viajar, mais acessível. Não é mais um privilégio de gente rica ou muito influente. Mas, ainda assim, quando se fala em viajar sozinho/a, muita gente se surpreende (ou até tem pena/dó do “coitado/a, tão solitário/a” – acreditem, eu moro sozinha no Chile e toda vez que conheço alguém – principalmente mulheres mais velhas – e elas sabem disso, me olham e dizem “tadiiinhaaa”, e eu só respondo com um sorridente “Tadinha por que?”). Miiiiinha geeente, vamos pensar um pouquinho:

  1. Não é porque VOCÊ se sentiria solitário e/ou triste numa solo trip, que todo o resto da humanidade pensa o mesmo;
  2. Não necessariamente aquela pessoa está viajando sozinha porque não tem companhia (leu os 3 itens lá em cima? Então…)

Agora, além disso, rola o “meu Deus!! Que perigo! Você é LOUCO/A!”, principalmente quando se trata de mulheres viajando sozinhas. Como eu já disse, não sou experiente no tema, mas ando planejando algumas viagens (que ainda não sei se vão ou não ser solo) e lendo muito sobre o tema. Assim, separei pra vocês alguns textos de mulheres inspiradoras que viajam e/ou viajaram bastante sozinhas. Vamos lá?

360meridianos

Não é segredo pra ninguém que o 360meridianos é um dos meus blogs de viagem preferidos (senão O preferido). A Luiza (minha chará, essa da foto) escreveu já há algum tempo seu manifesto em favor de mulheres viajarem sozinhas (como ela mesma chamou) e, recentemente, publicou 7 relatos de mulheres que vão te inspirar a viajar sozinha. Mulheres reais, leitoras do blog, que deram seus depoimentos. Como o próprio nome já diz, é inspirador!

dicasdemulher

No site Dicas de Mulher, você encontra 20 dicas e motivos para viajar sozinha. Não é obrigatório concordar e/ou seguir absolutamente tudo. Mas super válido como uma dose de ânimo e inspiração.

Finestrino

Esse post aqui da Mari, do Finestrino, fala de uma maneira sincera e bem humorada sobre algumas vantagens e desvantagens de se viajar sozinha (incluindo a dificuldade na hora de tirar fotos haha).

Amanda Viaja

Já falei aqui do blog da Amanda, o Amanda Viaja, mas ela também tem uma coluna no Estadão. Em um dos seus posts por lá, falou um pouco sobre os medos que temos aos pensar em viajar sozinho, e também como enfrentá-los. Segundo ela, ‘se der medo, vá com medo mesmo‘. No blog dela também tem uma tag sobre viajar sozinho. Clica aí e dá uma olhada, porque todos os posts são ótimos!

Agora que você tem bastante conteúdo em que mergulhar, não vou ficar de blá-blá-blá, mas vou deixar a minha opinião. Viajar sozinho é perigoso? Querido/a, a vida é perigosa por si só. Sozinhos ou acompanhados, corremos riscos o tempo todo. Quando se trata de mulheres sozinhas, é claro que parecemos mais vulneráveis e temos, sim, que ter ainda mais cuidado. Mas não deixe isso te impedir de realizar o sonho de conhecer algum lugar. Pesquise bastante antes, esteja sempre atento/a e evite situações que seu instinto disser “eita, melhor não que vai dar ruim!”, ok? Manda bala que vai dar tudo certo! haha

Beijos e boa viagem!

Obs: Em breve teremos esse post em inglês e espanhol. Lá os links serão outros (nos seus respectivos idiomas), então aproveita e dá uma olhada também!