Pucón: Como chegar e onde dormir

Desde que voltei de Puerto Varas, andava me coçando pra ir pro sul do Chile de novo. Aí que, no fim de semana passado, me deu o “cinco minutos” e parti pra Pucón.

Bienvenidos a Pucon 😍🏔 #mueveteporchile #turbus #dizlu🇨🇱

A post shared by DizLu 🗺 (@dizlu) on

Nesse post, teremos um resumo de como chegar lá e uma dica de hospedagem (que foi a que eu usei), ok? Então vamos lá.

Como chegar em Pucón?

Voando

Vou tentar fazer disso o passo a passo mais simples e resumido possível, ok?

  1. Vôo de Santiago a Temuco: via LAN ou SkyAirline, dura cerca de 1h30min. Recomendo consultar as tarifas referentes a data em que pretende viajar. Não tive como incluir isso no post pois a variação de preços é muito grande.
  2. Transfer do aeroporto ao terminal de ônibus: Infelizmente nesse ponto não poderei ajudar muito. Só posso confirmar que há táxis e o trajeto é de aproximadamente 14 km.
  3. Ônibus de Temuco a Pucón: A empresa mais barata e que oferece mais horários é a JAC. O trajeto leva 2h e custa cerca de $ 2200 pesos chilenos.
IMG_20160507_102414536
Você percebe que a viagem vai ser boa quando sai da rodoviária e dá de cara com um vulcão (e acha até o supermercado fofinho *.* haha)

Busão amigo

Como vocês já devem ter percebido, sou uma grande usuária de serviços amigos de busão hahaha. Assim que, fui de ônibus de novo. Sim, são quase 800 km, demorou uma vida (rolou ônibus atrasado, trânsito infernal e tudo o que se tem direito quando metade da cidade está protestando nas ruas, mas isso é uma outra história). Porém, custou $ 25000 pesos chilenos, fui direto, e viajei a noite toda (o que economiza uma diária de Hotel/Hostel).

Viajei de Turbus, que é uma das empresas mais caras daqui e que tem o serviço mais meia boca. Pra vocês terem ideia, não tinha nem água no ônibus. Na volta, saí de Osorno (uma cidade que fica a mais de 1100 km de Santiago), a viagem custou BEM mais barato, sendo que comprei assento leito (quase mais confortável que minha cama) e teve até jantinha no busão. Tudo isso viajando de BusNorte. Só tem um probleminha: Santiago-Pucón direto é um trecho meio limitado e, que eu saiba, só feito por algumas empresas, entre elas Turbus e Condor.

Onde se hospedar em Pucón?

Fiz aquela busca amiga no Booking.com, e encontrei o fofinho Pucontours Hostal. É um Hostel simples, mas super aconchegante e gostosinho, sabe? Daqueles que você se sente em casa. Dêem uma olhada no link e nas fotos pra conhecerem melhor, ok?

Pucontours Hostal Pucon DizLu Blog
Pucontours Hostal belezinha

A única observação a respeito é: fiquei duas noites, uma num quarto double e uma num single. Caso se hospedem lá, não optem pelo single. a diferença de preço é mínima e a qualidade é BEM diferente (além de ele ter uma janela não muito bem vedada que não contribuiu em nada para que eu dormisse bem naquela friaca que fazia). O double é perfeito, não deixou a desejar em absolutamente nada.

O legal é que eles têm vários convênios com agências de turismo também, então você pode contratar os passeios de lá mesmo, sem nenhuma dor de cabeça.

Plaza de armas de Pucon ❤🏞 #VisitChile #FridayPhotoFanChile #dizlu🇨🇱

A post shared by DizLu 🗺 (@dizlu) on

É pessoal, o triste é não poder ficar pelo menos um mês lá haha. Bom, me despeço por aqui, mas em breve teremos post com os passeios que fiz por lá e os lugares maravilhosos que vi, então espero vocês por aqui.

Enquanto isso, acompanhem o instagram do blog, que está cheio de fotos pra dar vontade de viajar ^^, e o Snapchat (é diz.lu), onde eu passei vergonha na viagem tentando aprender a usar hahaha.

Beijos e até!

PS: Todas as reservas do Booking.com feitas pelos links nos posts ou pela caixinha de pesquisa na lateral, geram uma pequena comissão para o Blog (quando eu digo pequena, são centavos mesmo haha), então agradeço MUITO a todos que reservarem suas hospedagens por aqui, pois vocês pagam exatamente o mesmo valor e me deixam super felizinha por poder engordar um pouco meu porquinho 🙂 haha.

Santiago em dois dias – o que fazer?

E aí, bonitinhos? Como vão vocês? Que bom que tudo bem! haha

Bom, desde que me mudei para Santiago, alguns amigos já vieram me visitar e muitos outros dizem que têm vontade ou estão se planejando. Além disso, amigos dos meus pais e tios com viagens marcadas têm me perguntado sobre algumas dicas e sugestões de roteiros. Assim, decidi montar roteirinhos resumidos pra tentar ajudar quem vem visitar essa coisa linda que é o Chile.

Vamos começar por um roteiro express espremido num final de semana, com base na viagem que um casal de amigos fez no mês passado (oi, Má e Dai! :D). Eles haviam comprado um pacote turístico para chegar em Santiago na sexta à tarde e voltar para o Brasil na segunda pela manhã. Assim, tudo tinha que ser bem encaixadinho pra que pudessem aproveitar o tempo ao máximo.

A primeira parada (depois de passar no hotel e ajeitar a bagagem e a si próprios haha) foi o Hard Rock Café, que fica dentro do Mall Costanera (meu shopping preferido em Santiago *-*, sobre o qual falarei em breve). Estávamos os três mortos, então a pedida tinha que ser mesmo algum restaurante/pub/barzinho. Pra quem pretende fazer mais ou menos o mesmo roteiro, outras opções são o Patio Bellavista (praticamente uma galeria de bares e restaurantes) e a Plaza Ñuñoa (não tão visitada pelos turistas, mas também um apanhado de barzinhos muito interessante).

IMG-20160415-WA0010
Porque a vista da Cordillera no verão também é linda <3

No dia seguinte, eu parti pra minha aula de espanhol, faxinas e etc, e Má e Dai foram passear. São várias as opções pra quem quer fazer passeios turísticos em Santiago. No caso deles, optaram por um motorista particular, e conseguiram visitar a Cordillera pela manhã, Cerro San Cristóbal perto da hora do almoço e a vinícola Concha y Toro à tarde.

IMG-20160415-WA0003
Concha y Toro

Sábado à noite chegaram tão mortos que não aguentaram acharam melhor descansar haha. No domingo, saímos passear no centro. Passamos pela Plaza de Armas e a Catedral Metropolitana, e visitamos o Museo de Arte Precolombino, que também fica ali pertinho, no centro mesmo.

museo
Museo de Arte Precolombino

Almoçamos no La Piccola Italia, no centro mesmo, que é um restaurante italiano DELÍCIA, demos mais uma andadinha, e acabou-se o dia.

IMG_20160313_192254496
Felizes de panças cheias haha

A ideia desse post não é fazer com que, quem quer que venha por só um final de semana, faça exatamente esse roteiro, e sim mostrar que é possível conhecer vários lugares, mesmo que em pouco tempo, então vamos ao resumo:

Dia 1 (Vôo chegando à tarde): O passeio à noite poder ser um restaurante ou barzinho legal. No nosso caso, o Hard Rock Cafe.

Dia 2 (Passeios turísticos): Visita à Cordillera pela manhã e vinícola à tarde. Você opta pela vinícola de preferência e, se der tempo, pode conhecer algum cerro, como o San Cristóbal, assim como fizeram o Má e a Dai. Dê uma olhada em alguns passeios no site da Turistik, é uma boa agência e tem muitas opções.

Dia 3 (Passeio na cidade): Falei aqui de passear no centro, pois é a região de Santiago com mais pontos turísticos, mas você pode mudar o bairro ou comuna, ok? Ao redor da Plaza de Armas, você em contra VÁRIOS museus e, se programar direitinho e marcar, da até pra conhecer o Palácio de la Moneda por dentro.

Dia 4 (Volta pra casa): Bom, segunda de manhã já é dia de voltar, então, sem passeios.

Bom, pessoal, espero ter ajudado quem estiver se programando pra conhecer Santiago. Se tiverem alguma dúvida ou sugestão, não exitem (que formal eu) em me escrever, seja nos comentários, no facebook ou no instagram, ok?

Beijos e até! ;*

Estações de esqui de Santiago (no inverno)

Boooa noite gente bonita que está morrendo de calor!

Hoje, aproveitando o friozinho que já chegou em Santiago, vim falar um pouco sobre as estações de esqui que temos por aqui. A ideia é dar um panorama geral pra quem está na dúvida de quando, quanto e se vale a pena ir só para conhecer a neve (e não esquiar). Então vamos lá.

camino a cordillera Andes

Quando começa a temporada?

Antes de qualquer coisa, vale lembrar que as estações de esqui de Santiago funcionam durante o ano todo! Sim, até no verão, quando não tem neve (ainda farei um post sobre as atividades de verão, ok? Aguardem!). Porém, neste post, vamos focar no inverno.

parques de farellones santiago chile (4)

A temporada de esqui em Santiago geralmente vai de junho a setembro ou outubro. Porém, isso depende 100% das condições climáticas. Em 2015 mesmo, a temporada foi adiada para julho, por falta de neve. A estação El Colorado ainda deu seu jeitinho e produziu neve artificial pra não perder tanto tempo, mas o importante é ficar de olho na previsão do tempo (e nos sites e redes sociais das estações de esqui).

Como chegar lá?

Dá pra ir de carro? Dá. Vale a pena? Sinceramente, eu não iria. Em caso de nevascas, gelo no caminho, ou qualquer outro imprevisto com o qual não estamos acostumados, a estrada pode se tornar um tanto perigosa. Existem também algumas exigências para dirigir na montanha (como ter correntes dentro do carro para enrolar nos pneus em caso de gelo), então eu não arriscaria. Existem muitos tours que vão para lá e empresas que se dedicam a fazer esse transporte. Eu já fui com um tour da Turistik e com motorista particular. Se alguém precisar de contatos ou ajuda na reserva, me deixa um comentário que eu dou uma força no que precisarem, ok? 😉

Vale a pena se não for esquiar?

el colorado santiago chile
El Colorado e os esquiadores frenéticos

Essa é uma dúvida comum. Principalmente em relação ao Valle Nevado. Minha opinião pessoal: Valle Nevado é maravilhoso. Tem uma vista linda e é a mais alta das três principais estações, MAS (em maiúsculas mesmo) não acho que tem muito o que fazer lá se você não for esquiar.

valle nevado santiago chile (2)
Valle Nevado

Eu visitei as três e, sinceramente, acho Parques de Farellones a melhor opção se “você quer brincar na neveeeee”, e não vai esquiar. Mas, por que? Bom, lá há uma espécie de parque de atividades na neve. Tem tirolesa, tubing, passeio na silla panorámica (tipo um teleférico, no estilo daquele que eu fui no vulcão Osorno, lembra?), nosso querido ski-bunda (na neve, óbvio), ou seja, é bem mais divertido. E, caso você vá pra parte ‘baixa’ do parque (da pra chegar lá de carro, ou entrar pela estação e descer de telesilla-o que eu fiz), você pode se jogar no chão, fazer bonequinhos e ser uma criança feliz sem medo nem vergonha, o que é maravilhoso haha. Agora vou postar umas fotos pra vocês verem como dá pra ser feliz na neve, mesmo sem esquiar.

parques de farellones santiago chile (1)
Você pode curtir uma voltinha de telesilla
parques de farellones santiago chile (3)
…pegar um bronze tropical…
parques de farellones santiago chile (1)
…fazer um boneco esquisito, mas todo trabalhado nos acessórios dos seus pais…
tubing farellones santiago chile
…e até descer escorregando na neve de bóia (tubing). Obs: esses são meus pés enquanto sou rebocada de volta pra cima haha

Além disso, rola patinação no gelo, que eu esqueci de comentar ali em cima. Então, se você nunca viu neve e vem pra Santiago no inverno, não perca a chance, porque é uma delícia!

Deixo abaixo os links das três estações, com preços, datas e atividades disponíveis.

Novamente vou dizer, caso tenham qualquer dúvida, queiram alguma informação ou ajuda, podem deixar recado aqui, no face ou no insta, ok? Eu respondo rapidinho e também posso pensar em posts específicos sobre cada estação de esqui e respostas para cada dúvida.

Obs: isso não foi um monte de propaganda do Parques de Farellones. Eu já estive nas 3 e não esquiei, então só deixei minha opinião sincera pra quem quiser um programinha diferente na neve, beleza?

Beijos e até logo!

 

Dicas e inspirações para viajar sozinha/o (aka: #viajosozinha se eu quiser, sim!)

Hoje, em meio a procrastinações na internet, num dia de gripe de gripe daquelas que derrubam a gente, me deparei com a seguinte reportagem da BBC:

#ViajoSozinha: Como a morte de duas turistas argentinas levou a debate sobre assédio

Pra quem não está com paciência para ler esse texto aqui e mais o da BBC, vou dar aquela resumida amiga. Duas jovens argentinas de vinte e pouquinhos anos saíram para fazer um mochilão pela América Latina e foram assassinadas no Equador. Além da fatalidade e do crime por si só, surgiram MUITOS comentários condenando a atitude delas de viajarem sozinhas sendo mulheres, e presumindo que elas, certamente, teriam tido alguma atitude que levou às suas mortes (Sim, o ‘que roupa estavam usando?’, ‘eram muito de ir em festa?’, ‘como assim estavam sozinhas?’ que a gente já está cansada de ouvir. E sim, pessoas – se é que podemos chamar assim – ainda culpam vítimas de assédio, estupro e/ou assassinato pelo próprio assédio, estupro e/ou assassinato que sofrem).

Isso, obviamente (e graças ao bom Deus) levantou um debate sobre ‘até quando vão culpar as mulheres pelo assédio e violência que sofrem?’ e ‘é seguro para uma mulher viajar sozinha?’. Eu não vou ficar aqui debatendo a primeira parte porque, quem me conhece, sabe muito bem o que eu penso, e esse é um assunto que me revolta num nível, que eu sou capaz de escrever um livro só com palavras de baixo calão que, para mim, descrevem muito bem quem tem pensamentos tão machistas como esses.

Assim sendo, e considerando que o foco desse blog agora é viagens, vamos falar sobre viajar sozinha. Eu, Luiza, nunca caí no mundo para uma solo trip (ainda), mas também não deixaria de viajar pelo fato de “ter que” ir sozinha. Vamos lá, o que te levaria a viajar sozinha? Provavelmente, um dos itens abaixo:

  • Ninguém quer ir pro mesmo lugar/na mesma data que você. (Nesse caso, você perderia a oportunidade de conhecer determinado lugar porque ninguém quer/pode ir com você?)
  • Sua companhia desistiu na última hora. (As reservas estão todas feitas e você está no ápice da expectativa. Sua companhia miou. Vai desistir também?)
  • Você não quer companhia. (‘To afim de pensar na vida, espairecer, refletir um pouco, e preciso fazer isso sozinha e longe de casa’. Bom. Nesse caso, se levar alguém junto, não vai rolar nada disso, certo?)

A questão é: viajar sozinha/o é um tema que está muito em alta atualmente. Há não muitos anos atrás, as pessoas nem viajavam tanto, muito menos sozinhas. Hoje em dia é muito mais fácil viajar, mais acessível. Não é mais um privilégio de gente rica ou muito influente. Mas, ainda assim, quando se fala em viajar sozinho/a, muita gente se surpreende (ou até tem pena/dó do “coitado/a, tão solitário/a” – acreditem, eu moro sozinha no Chile e toda vez que conheço alguém – principalmente mulheres mais velhas – e elas sabem disso, me olham e dizem “tadiiinhaaa”, e eu só respondo com um sorridente “Tadinha por que?”). Miiiiinha geeente, vamos pensar um pouquinho:

  1. Não é porque VOCÊ se sentiria solitário e/ou triste numa solo trip, que todo o resto da humanidade pensa o mesmo;
  2. Não necessariamente aquela pessoa está viajando sozinha porque não tem companhia (leu os 3 itens lá em cima? Então…)

Agora, além disso, rola o “meu Deus!! Que perigo! Você é LOUCO/A!”, principalmente quando se trata de mulheres viajando sozinhas. Como eu já disse, não sou experiente no tema, mas ando planejando algumas viagens (que ainda não sei se vão ou não ser solo) e lendo muito sobre o tema. Assim, separei pra vocês alguns textos de mulheres inspiradoras que viajam e/ou viajaram bastante sozinhas. Vamos lá?

360meridianos

Não é segredo pra ninguém que o 360meridianos é um dos meus blogs de viagem preferidos (senão O preferido). A Luiza (minha chará, essa da foto) escreveu já há algum tempo seu manifesto em favor de mulheres viajarem sozinhas (como ela mesma chamou) e, recentemente, publicou 7 relatos de mulheres que vão te inspirar a viajar sozinha. Mulheres reais, leitoras do blog, que deram seus depoimentos. Como o próprio nome já diz, é inspirador!

dicasdemulher

No site Dicas de Mulher, você encontra 20 dicas e motivos para viajar sozinha. Não é obrigatório concordar e/ou seguir absolutamente tudo. Mas super válido como uma dose de ânimo e inspiração.

Finestrino

Esse post aqui da Mari, do Finestrino, fala de uma maneira sincera e bem humorada sobre algumas vantagens e desvantagens de se viajar sozinha (incluindo a dificuldade na hora de tirar fotos haha).

Amanda Viaja

Já falei aqui do blog da Amanda, o Amanda Viaja, mas ela também tem uma coluna no Estadão. Em um dos seus posts por lá, falou um pouco sobre os medos que temos aos pensar em viajar sozinho, e também como enfrentá-los. Segundo ela, ‘se der medo, vá com medo mesmo‘. No blog dela também tem uma tag sobre viajar sozinho. Clica aí e dá uma olhada, porque todos os posts são ótimos!

Agora que você tem bastante conteúdo em que mergulhar, não vou ficar de blá-blá-blá, mas vou deixar a minha opinião. Viajar sozinho é perigoso? Querido/a, a vida é perigosa por si só. Sozinhos ou acompanhados, corremos riscos o tempo todo. Quando se trata de mulheres sozinhas, é claro que parecemos mais vulneráveis e temos, sim, que ter ainda mais cuidado. Mas não deixe isso te impedir de realizar o sonho de conhecer algum lugar. Pesquise bastante antes, esteja sempre atento/a e evite situações que seu instinto disser “eita, melhor não que vai dar ruim!”, ok? Manda bala que vai dar tudo certo! haha

Beijos e boa viagem!

Obs: Em breve teremos esse post em inglês e espanhol. Lá os links serão outros (nos seus respectivos idiomas), então aproveita e dá uma olhada também!

Frutillar: Teatro del Lago e Museo Colonial Alemán

Chegamos ao meu quinto e último dia de viagem pela Região dos Lagos, no sul do Chile. É, eu sei, pra mim também passou super rápido. E sim, foram só cinco dias e eu consegui fazer coisa pra caramba! Claro que, se eu consegui compactar tanta coisa nos quatro primeiros dias, o quinto não poderia ser muito diferente. De tudo que a gente já tinha visto, ainda me faltava a cidade de Frutillar e, como sabíamos que a cidade era minúscula pequenininha, decidimos visitá-la no domingo durante o dia, antes de pegar nosso ônibus de volta a Santiago.

O transporte foi no mesmo esquema da ida a Puerto Montt: ônibus de linha por cerca de $ 1000 pesos.

frutillar chile

Bom, Frutillar é fofinha. MUITO fofinha hahaha. ‘Mas, Luiza, o que seria uma cidade fofinha?’. Ah, pequenininha, sabe, casinhas estilo alemão, lago, vulcão ao fundo, tudo decorado, tudo limpo, tudo meio coloridinho…tudo fofinho! hahaha.

Falando sério agora, vai. Frutillar tem duas ‘atrações’ mais importantes a serem visitadas e a principal delas é, sem dúvidas, o Teatro del Lago.

teatro del lago frutillar chile
Teatro del Lago

Mais uma vez, eu e o meu irmão, cabeçudos que somos, não pesquisamos nada direito antes e, bom, chegamos no teatro 15 minutos depois de ter saído o passeio guiado. ‘Ah, mas você não precisa de guia…é um TEATRO”. Não, você não precisaria, se não fosse proibido entrar sem guia nos horários de não-espetáculos. Ponto pra mim.

O teatro é muito conhecido por ter uma das melhores acústicas do mundo, uma vez que foi construído para receber concertos de orquestras sinfônicas e óperas. Claro, a maioria de nós, turistas, quer ver simplesmente porque é lindo. Como o próprio nome já diz, ele fica dentro do lago Llanquihue, com direito a vista privilegiada do vulcão Osorno. Não dá pra reclamar, né? Entre no site oficial do teatro pra acompanhar a programação de apresentações e horários dos passeios guiados. Aprenda com meu erro, por favor!

A ‘outra’ atração que eu queria visitar era o Museo Colonial Alemán.

museo colonial alemán frutillar chile (1)

Mais uma vez, nome auto explicativo. Esse museu representa as antigas fazendas alemãs que a região abrigava na época da colonização. O fato levemente desanimador desse museu é que ele é fake. Não, não é uma fazenda original. Ele foi construído para ser um museu, porém, cada detalhe foi muito bem estudado e analisado de modo que o resultado fosse o mais real possível. Fake ou não, o museu é incrível (as fotos não me deixam mentir). A entrada custa cerca de $ 3000 pesos por pessoa, o que é relativamente ok. Lá dentro há quatro construções principais: La casa del herrero, casona de campo, molino de agua e campanario.

museo colonial alemán frutillar chile (5)
Casona de campo

museo colonial alemán frutillar chile (3)

Por dentro da casona – cada construção é mobiliada de acordo com o que se encontrava na época da colonização

Por dentro, além dos móveis e decoração apropriados, há sons ambientes de relógios, caixinhas de música, o que deixa a coisa, além de mais ‘real’, um tanto macabra haha.

museo colonial alemán frutillar chile (4)

As áreas externas também fazem parte do museu, então há de tudo ‘exposto’. Até uma réplica dos túmulos que se construía na época, uma vez que as pessoas que morriam nas fazendas eram enterradas ali mesmo.

 

molino de agua museo colonial alemán frutillar
Molino de agua

museo colonial alemám frutillar 2 (2)

Sim, agora entramos na sessão “fotos pra deixar os leitores com vontade de conhecer o lugar”. De nada.

museo colonial alemám frutillar 2 (3)
Campanario
museo colonial alemám frutillar 2 (4)
Casa del herrero (ou do ferreiro) por dentro

Nesta página da cidade você encontra mais informações sobre o museu e o teatro, inclusive localização e horários de funcionamento em diferentes épocas do ano.

Frutillar tem um posto de informações ao turista que fica relativamente perto do teatro. Lá eles podem te fornecer mapas e indicações de passeios a fazer (inclusive alguns panfletos em português).

A cidade tem basicamente duas ruas, então é impossível se perder e fácil de achar lugares para comer. Só deixo de aviso que é tudo um pouco caro, e você só acha uns preços mais amigos na ‘rua de trás’ (chegando lá vocês vão entender e lembrar de mim, ok?). Como eu já estava verde de fome, acabamos pagando cerca de 60 reais por uma pizza não muito grande num restaurante italiano no teatro do lago. Só que assim, gente, almoçamos quase dentro do lago e olhando o vulcão, então né…não vou reclamar do preço. E, claro, estava uma delícia.

Mais uma vez, planejem suas viagens melhor do que eu haha. Ou não planejem. Nós quebramos a cara em algumas coisas, mas também foi ótimo ficar inventando os passeios na hora. Acho que as duas alternativas merecem um teste, além de ser bom variar o jeito de viajar, pelo menos de vez em quando. Podem deixar que essa viagem me ensinou muito sobre como me preparar para escrever sobre ela depois. Cometi muitos erros, mas garanto que estou trabalhando para que esse blog seja o melhor possível tanto para mim quanto para vocês que leem (obrigada, aliás!).

Como eu disse no último post, não deixem de comentar o que acharam, seja do lugar ou do texto em si. Vocês me ajudam muito a polir meu próprio trabalho.

Beijos! E até a próxima viagem!

Psiu! Não esquece dos posts anteriores! Ainda mais agora que nossa jornada está completa! 😉

Chiloé: Ancud e Pinguineras de Puñihuil

Pra quem não sabe, na Região dos lagos há um conjunto de ilhas conhecido por Arquipélago de Chiloé, que é o maior arquipélago do Chile. É esse aqui ó:

Desse arquipélago, a ilha mais conhecida e turística é a Isla Grande de Chiloé que, como esperado, é essa maiorzona. A ilha é um tanto pitoresca e bem diferente de Puerto Varas e Puerto Montt, por exemplo, principalmente pela arquitetura. Chiloé é conhecida por ter muitas casas de palafita, especificamente na cidade de Castro.

Eu fui pra Puerto Varas já querendo conhecer Chiloé, por causa das palafitas e das pinguineras (sim, lá tem pinguins <3). Aí que, procurando passeios que nos levassem até lá, só estávamos encontrando coisas muito caras e muito demoradas, uma vez que a maioria dos tours chega até Castro (que fica bem no interior da ilha), e isso leva 4 horas de viagem aproximadamente. Quando já estava quase desistindo, conhecemos uns brasileiros (no ônibus indo pra Puerto Montt) que haviam feito um passeio com a empresa Sol del Sur, que levava até as pinguineras e custava somente $ 25000 CLP (cotação do peso aqui e aqui). O que eu fiz? Saí procurando na internet o site da agência, já que era feriado e a loja não estaria aberta. Lá encontrei um número de whatsapp, mandei uma mensagem sem muita esperança e, não só fui atendida, como MUITO bem atendida. Assim, marcamos o passeio para o dia seguinte, sábado, de manhã. Como no passeio ao vulcão Osorno, a agência foi buscar a gente na pousada. De lá, partimos pela Ruta 5 em direção ao município de Pargua para, então, podermos tomar um ferry para a ilha. A travessia é bem legal pois, mais uma vez, é possível avistar nossos amados amigos lobos marinhos, entre outros animais (tivemos sorte de ver duas toninhas passando – foi coisa de segundos, mas suficiente pra quase destruir meu coraçãozinho com seu fraco por animais marinhos haha).

chacao chiloe chile dizlu

Após a ‘travessia’, chegamos ao povoado de Chacao. Trata-se de um vilarejozinho muito belezinha, onde se pode conhecer a igreja e comprar algumas lembrancinhas, não muito mais que isso. O legal desse lugar é que é possível ver como a ‘cara’ das casas é diferente. São de madeira, pintadas em cores vibrantes e construídas com uma espécie de escamas de madeira que, segundo nosso guia, servem para proteger a casa de chuvas e ventos, além mantê-las frescas no verão.

forte de ancud chiloe chile dizlu

De Chacao, partimos para Ancud, onde se pode conhecer o Forte de San Antonio, construído em 1770 pelos espanhóis e local onde os mesmos perderam sua última batalha contra os chilenos em 1826. Lá encontramos um guia que nos explicou toda a história e importância de cada detalhe do local, pedindo somente uma gorjeta (muito justa) no final.

puñihuil chile chiloe dizlu

A 25km de Ancud está Puñihuil, onde ficam as famosas pinguineras único local no mundo onde é possível encontrar pinguins de Magalhães e de Humboldt convivendo no mesmo ecossistema, segundo nosso guia. As pinguineras são compostas por três pequenas ilhas (que eram uma única antes do terremoto de 1960) e são consideradas um monumento natural, que só pode ser visitado de barco, com guias autorizados e a uma certa distância. Sim, a vontade é ir lá pertinho e pegar eles no colo, mas não pode, obviamente para a preservação da fauna (imagina se todo mundo resolve querer se meter lá no meio, os coitados não iriam aguentar). O passeio de barco tem uma taxa de $ 7000 CLP se eu não me engano (desculpa, gente, eu não anotei esse valor e acabei esquecendo, mas é quase certeza, ok?).

Preparem-se para imagens fortes:

pinguineras de puñihuil chiloe chile dizlu (3)
Pinguins de Magalhães (ou Magallanes)
pinguineras de puñihuil chiloe chile dizlu (2)
Pinguins de Magalhães (ou Magallanes)
Pinguins de Humboldts
Pinguins de Humboldts

As pinguineras também abrigam uma grande variedade de outras aves como pelicanos, gaivotas e algumas espécies de patos, por exemplo.

pinguineras de puñihuil chiloe chile dizlu (6)

pinguineras de puñihuil chiloe chile dizlu (4)

pinguineras de puñihuil chiloe chile dizlu (5)

O guia que nos levou era bem simpático e divertido, e ainda achou fantástico eu saber falar espanhol sendo brasileira haha (¯\_(ツ)_/¯), então explicava tudo para mim e para o meu irmão, que sentamos bem na frente no barco. Resumindo, esse passeio a Chiloé é essencialmente focado em ver os pinguins. Você não pode chegar muito perto (nem pular pra abraçá-los, infelizmente), mas é incrível a diferença entre ver animais num zoológico e no seu habitat natural. É lindo, é mágico e, se você tiver oportunidade, simplesmente vá. Lembrando que esses passeios só ocorrem entre setembro e março, que é a época do ano que os pinguins visitam o Chile. Se alguém já visitou e quer acrescentar algo, ou tem alguma dúvida, deixe um comentário aqui que eu respondo todos, ok?

Um beijo, e não percam os outros posts da série sobre a Região dos Lagos. Infelizmente está acabando, mas ainda falta Frutillar :D.

Obs: antes de voltar a Puerto Varas, passamos novamente por Ancud no intuito de visitar museus e a igreja principal da cidade. A igreja é uma graça, mas os museus do Chile estavam todos em greve nessa época, aí né…fechados.

Puerto Montt: Mercado de Angelmó

No terceiro dia de viagem aconteceu de ser ano novo e, como já comentei, praticamente NADA abre aqui no ano novo. Aí que, conversando com umas brasileiras que estavam na mesma van que a gente no passeio ao vulcão, descobrimos que em Puerto Montt há uma espécie de ‘mercadão de peixe’, que é um ponto turístico e estaria aberto. Assim, no dia 1 de janeiro, sexta de manhã, pegamos um ônibus de linha mesmo no centro de Puerto Varas com destino a Puerto Montt por singelos $1000 pesos (coisa de 6 reais), levando uns 40 minutos para chegar.

onibus puerto varas puerto montt

Diferente de Puerto Varas, Puerto Montt fica à beira do Oceano Pacífico e é uma cidade essencialmente portuária. E feia, não vou negar. Assim, não é nada que se diga noooossa que cidade horrível. Ela tem sim seu charme e uns locais bem legais pra conhecer. Vale a pena sim, só não vá achando que é um deleite aos olhos (oh!) assim como Puerto Varas, por exemplo.

puerto montt
Shopping fechado e vulcão Calbuco ao fundo – tá vendo como tem seu charme?

Chegando na cidade, saímos da rodoviária a pé mesmo, sem rumo, pra ver o que encontraríamos pela frente. Foi legal a sensação de estar pela primeira vez à beira do Oceano Pacífico. Sim, é um mar normal, mas a ideia me fazia feliz (me deixa! haha).

gaivota puerto montt    ave puerto montt

Nessa caminhadinha pela orla, aproveitamos pra tirar foto de tudo que encontramos pela frente das gaivotas, desse outro pássaro estranho que até agora não tenho certeza do que é…

sentados frente al mar puerto montt

…e dessa escultura que eu não sei muito bem porque está aí. Teoricamente foi homenagem a uma música e se chama ‘Sentados frente al mar’. Não é lá muito linda nem está muito bem cuidada, mas gente, isso é enorme. E é um ponto turístico conhecido que você pode ver de passagem e tirar umas fotos. Está perto da praça em homenagem à colonização alemã, onde também há um museu que, infelizmente, estava fechado. Mas não vou ficar aqui reclamando da cidade porque fui eu que não me informei bem antes e tenho certeza que teria gostado muito mais se não fosse um feriado internacional, então vamos ao que interessa. Já que fomos lá pra conhecer o ‘mercadão’, andamos e andamos até que achamos o tal Mercado Típico de Angelmó.

mercado angelmó puerto montt

O mercado abriga uma peixaria e diversos restaurantes essencialmente de frutos do mar, além das lojinhas de artesanato que a gente ama haha.

artesanato puerto montt (2)artesanato puerto montt

Nelas você encontra MUITOS produtos de lã, uma vez que na região é muito comum a criação de ovelhas. Tem também vários enfeitinhos e ‘tranqueirinhas’ legais pra levar de lembrança pra família e amigos. Tem até…

artesanato mercado angelmó puerto montt
….DEDOCHE! hahah e da Peppa! (possivelmente importado da China, mas a gente finge que não viu só porque é muito engraçado)

O mercado em si é bem bonitinho, tem vários restaurantes meio amontoados, mas com vistas lindas para o mar. É bem típico, bem turístico e vale MUITO a pena.

IMG_0705

Mas, para mim, o mais legal de tudo aconteceu depois de ficarmos bem P* da vida por muitas lojas e restaurantes estarem fechados, além de ter comido um lanche no Mc Donalds porque andamos a vida toda até achar esse mercado. O mais legal desse dia para mim foi quanto cruzamos o prédio onde haviam os restaurantes em direção à beira do mar e nos deparamos com isso:

lobo marinho puerto montt fabulous
Yeah baby, you are *-*

lobos marinhos puerto montt angelmo

Isso foi o que quase me fez ter um ataque cardíaco. Parecia que eu tinha 5 anos e estava conhecendo o Mickey hahaha. Como fui a primeira a ver, saí feito louca atrás do meu irmão “Viniiiiicius, vem ver isso, VEM VER ISSSOOOOO!!!!!!! AHHHHHHHHHHHHH!” (ok, talvez eu esteja exagerando um pouco, mas foi MUITA emoção hahaha).

dizlu lobos marinhos puerto montt angelmo
Ângulo não muito bom, fotógrafa pior ainda, mas a alegria no coração, ahh minha gente, essa era muito grande haha.

Bom, nessa região perto do mercado ainda há vários passeios de barco, mas nós não nos interessamos muito, então não tenho muitas informações pra passar (sorry ¯\_(ツ)_/¯ ). A questão aqui é: falaram MUITO de Puerto Montt pra gente e ninguém nem tocou no assunto dos lobos marinhos. Não sei se eu sou tão caipira assim que nem imaginei que podia encontrar isso por lá e fiquei tão frenética hahaha, mas pra quem quiser visitar, perca um tempinho olhando, eles são ótimos!

Continuem acompanhando a série porque na próxima teremos Chiloé!

Puerto Varas: Vulcão Osorno, Saltos del Petrohue e Lago Todos los Santos

Já falamos aqui sobre uma parte da viagem de fiz a Puerto Varas com o meu irmão (trajeto e hospedagem e passeios na cidade). Hoje o post é sobre um passeio específico que fizemos, envolvendo subir um vulcão e visitar um rio e um lago de água verde esmeralda.

Primeiramente é bom saber que várias agências de turismo fazem esse passeio e os preços vão de 20 e poucos a quase 40 mil pesos chilenos. Assim, vale a pena dar uma pesquisada. Como eu já comentei aqui, na Casa del Turista você pode encontrar diversas opções, tirar suas dúvidas e escolher a que melhor se encaixa no seu tempo, objetivo e bolso, claro. Nós optamos pela agência TripToChile porque era a que oferecia o melhor custo-benefício. Poderíamos ir a 3 locais que queríamos conhecer em um único dia e por maravilhosos $25000 pesos.

O tour saía às 9h da manhã, com retorno previsto entre 15h e 16h. O roteiro é definido de acordo com as condições climáticas. Como nessa manhã o céu estava bem aberto, nosso guia optou por nos levar primeiro ao vulcão como precaução para, caso o tempo fechasse à tarde, não perdêssemos a vista linda de lá de cima. Passadas as informações ‘técnicas’, vamos lá. Saímos da pousada às 9h da manhã, seguindo direto pela estrada que circunda o lago LLanquihue. Durante todo o caminho, nosso guia foi parando em cada ponto interessante e contando um pouco da história do local. A primeira parada em que descemos da van foi para fazer amizade com umas llamas simpáticas.

llama puerto varas
Llamas <3
tumblr_mkpoedCO7Q1qern4go1_500
Eu depois das Llamas

 

 

 

 

 

 

Depois das llamas, logo a estrada começa a subir em direção ao vulcão, sendo que é possível parar várias vezes no caminho em mirantes ou pequenas crateras. NOTA IMPORTANTE: Segundo nosso guia, o vulcão Osorno possui 40 crateras ao redor de sua base e a última erupção foi em 1869. Até o começo de 2015 era possível subir o vulcão Calbuco também, mas depois da sua erupção em abril os passeios não acontecem mais, por razões óbvias.

volcán osorno puerto varas (1)
Um dos mirantes a caminho do vulcão

O negócio é que só a subida já vale o passeio, mas não acaba por aí. No topo do vulcão Osorno há uma estação de esqui que, obviamente estava desativada por motivos de no verão não ter tanta neve assim. Assim mesmo a estação oferece alguns tipos de entretenimento (gente como estou formal). É possível fazer algumas trilhas, subir até o topo nas telesillas (ou teleférico para os íntimos) e descer de tirolesa. E, convenhamos, você subiu até lá e não vai fazer nada? Então fomos, eu e Vinicius subir o vulcão de teleférico…

volcán osorno puerto varas (5)

…para poder chegar lá em cima e, obviamente, descer de tirolesa *-*.

volcán osorno puerto varas (4)
Acreditem ou não, eles tinham capacetes grandes o suficiente pra nossas cabecinhas. É muito amor envolvido.

A descida é de aproximadamente 1500m, divididos em 4 setores. Pagamos $18000 pesos por pessoa, o que não é lá uma pechincha, mas valeu cada centavo. Na página da estação vocês podem encontrar todas as atividades oferecidas ao longo do ano e suas tarifas. Terminada nossa descida de ~adrenalina haha, paramos comer num restaurante ali mesmo. Pra quem já foi a alguma estação de esqui, sabe que os restaurantes são sempre caros e geralmente vale a pena levar algum lanchinho, porém, aqui no Chile pelo menos, eles sempre têm empanadas, o que é uma solução gostosa e não cara. De tanque abastecido, entramos novamente na van pra começar a descer com destino ao rio Petrohue. NOTA IMPORTANTE²: no mês de janeiro em Perto Varas há uma semi-infestação de um inseto infernal que parece um besouro mas pica a gente, então, na real, se puderem escolher a data, deixem pelo menos pra fevereiro, sério haha. Nós conseguimos fazer todos os passeios e amamos, mas sempre nos debatendo pra tirar esses pterodáctilos de perto.

Descemos até chegar ao Rio Petrohue (ou Saltos de Petrohue) e topamos simplesmente com a água mais linda que eu já vi:

saltos del petrohue puerto varas

Acreditem em mim, a água é ainda mais verde do que se vê na foto. É lindo, espetacular e um passeio imperdível para quem vai para essa região. Vale lembrar que não conseguimos tirar muitas fotos porque o local estava INFESTADO pelos pterodáctilos que eu comentei antes.

IMG-20151231-WA0019

Lá também é possível fazer rafting, mas como todo esporte de aventura depende de condições climáticas e do nível do rio, então é bom consultar agências especializadas nisso. Andando mais um pouco se chega ao Lago Todos los Santos ou Lago Esmeralda, assim chamado devido à cor de sua água. Chegando no lago, por $5000 pesos é possível contratar um passeio de barco que dura aproximadamente 40 minutos e te leva a essa vista aqui:

volcan osorno lago todos los santos
Acho que agora convenci, né?

Essa aqui em cima eu deixo pra quem me chamou de exagerada.

Resumo dos gastos (por pessoa):

  • Passeio Osorno, Petrohue e Todos los Santos: $ 25000
  • Telesilla e tirolesa no vulcão Osorno: $18000
  • Passeio de barco: $5000
  • Empanada (*-*): ~$3500

Acompanhe a cotação do peso chileno aqui ou aqui.

Acompanhe a série de posts sobre a Região dos Lagos:

 

Puerto Varas: O que fazer

Já falamos sobre como chegar e onde dormir em Puerto Varas, então hoje o post é sobre um pouco do que tem de bom pra fazer por lá.

Bom, estando em Puerto Varas, as opções de passeios são infinitas. Nós chegamos na cidade numa quarta feira de manhã sem saber muito bem o que queríamos fazer, aí simplesmente saímos andar e, logo na beira do lago, topamos com uma espécie de ‘quiosque’ de turismo chamado “Casa del Turista” que é, sem dúvidas, o lugar mais prático para encontrar qualquer passeio. Isso porque eles disponibilizam passeios de diversas empresas para praticamente qualquer lugar da região, meio que só fazem o ‘meio de campo’ entre o turista perdido e a agência.

casa del turista puerto varas - chile
Essa é a Casa del Turista. Haters dirão que a seta foi feita no paint. Haters estarão certos nesse aspecto.
IMG_20151230_153750
Essa sou eu bochechuda na frente da Casa del Turista tentando tirar foto do reflexo no lago no óculos. Obviamente sem muito sucesso.

Confesso que a mocinha que me atendeu nesse local estava quase mais perdida que eu, mas elas têm muita boa vontade e todo mundo acaba se entendendo e saindo feliz. Como eu estava dizendo, logo no primeiro dia já visitamos esse local e voltamos com MUITOS folders de passeios para dar uma olhada nas possibilidades e valores. Farei post sobre todos passeios que fizemos fora da cidade, por agência ou não, com valores e ‘instruções’ no caso de se virar com ônibus de linha. Assim, vamos focar na cidade em si.

Como Puerto Varas fica à beira de um lago, há alguns passeios de barco, inclusive festas no barco (pelo menos na noite de reveillón), e por ter bastante vegetação também não é difícil encontrar empresas de Eco Turismo, com arvorismo, tirolesas, rafting e etc.

IMG_0411.JPG

Fora isso, lá é lindo, então se você quiser sentar na beira do lago e esperar até as 22h pra ver o pôr do sol (sim, 22h o pôr do sol no verão), eu diria que não é tempo perdido. Nós não fizemos isso por motivos de: só tínhamos 5 dias pra aproveitar e ficamos frenéticos com os passeios depois de tantos folders de agências.

Puerto Varas lago llanquihue.JPG
A beira do lago. APROVEITEM A BEIRA DO LADO *-*

Casino Dreams

Sim, gente, aqui no Chile você não só encontra cassinos, como encontra cassinos pra todo lado. Esse de Puerto Varas é lindo. Nós perdemos uma meia dúzia de reais só pra fazer graça, mas não chegamos a assistir show. Porém, o Casino Dreams está presente em algumas cidades do Chile com hotéis, casas noturnas e cassinos propriamente ditos e vale a pena conhecer.

Casino dreams puerto varas chile hotel
Hotel Dreams (foto: MundoDreams)
mundo dreams casino puerto varas
Cassino (foto: MundoDreams)

Iglesia del Sagrado Corazón de Jesus

Se você buscar “Puerto Varas” no Google imagens, você verá:

Puerto_Varas_Osorno
Foto: Wikipedia

Essa foto aparece MUITAS vezes. Em ângulos variados e tirada por diferentes pessoas, mas é sempre mais ou menos a mesma coisa. A que eu tirei foi essa:

IMG_1204.JPG
É, quase não apareceu a igreja, mas admitam que tá bonita.

A região tem muitas pequenas igrejas de madeira. Católicas e Luteranas (estas construídas na época da colonização alemã). No caso, essa é a principal igreja da cidade, católica e cartão postal de Puerto Varas. Bem charmosa. Vale a pena gastar 20 minutos pelo menos e conhecer.

Museo Pablo Fierro

Museo Pablo Fierro Puerto Varas.jpg

Vou ser sincera, quis muito entrar, mas estava fechado. Não sei se é legal por dentro, mas quem resiste a essa fachada? Saiba mais no site do museu.

No réveillon

A noite de réveillon era uma incógnita para nós dois. Haveria queima de fogos no lago LLanquihue e isso nós não perderíamos. Mas ver os fogos de onde? Cogitamos várias festas em bares, barco, cassino, mas era tudo muito caro e nós queríamos mesmo passear, então não iríamos torrar a grana da viagem nisso. No fim das contas, saímos da pousada a noite pra ver o que ia rolar, esperando monotonia, claro.

AVISO IMPORTANTE: aqui TUDO fecha em feriados (Leia: morreríamos de fome se não tivéssemos comprado umas tranqueiras). Agora voltemos à programação normal.

Chegando perto do ‘centro’ (ainda na beira do lago, claro), encontramos isso:

Reveillon puerto varas 2016 (2).jpeg
Bandinha tocando musicas bem latinas e divertindo geral. Amigos, vocês eram ótimos.

E fomos felizes mesmo com todo o frio que fazia.

Reveillon puerto varas 2016 (1).jpeg

Em breve, não necessariamente nessa mesma hora, mas nesse mesmo canal:

Puerto Varas: como chegar e onde dormir

Puerto Varas é uma cidadezinha no sul do Chile, mais precisamente na Región de los Lagos (ou VIII Región), a pouco mais de 1000 km “pra baixo” de Santiago, e foi o lugar que eu e meu irmão escolhemos pra passar o réveillon. Como passeamos bastante por lá e pelo alrededor, resolvi montar um pequeno guia do que a gente viu e do que eu acho que vale a pena visitar.

Puerto Varas 1 lago llanquihue

Esse primeiro post será sobre como chegar e onde se hospedar na cidade de Puerto Varas em si que, como vocês podem ver na foto acima, é linda demais *-*. A cidade está à beira do lago Llanquihue, com vista aos vulcões Osorno e Calbuco (esse aqui, que deu trabalho em abril de 2015).

Puerto varas vulcão calbuco lago llanquihue.JPG
Vulcão Calbuco
Puerto varas vulcão osorno lago llanquihue.JPG
Vulcão Osorno

Vamos lá. Primeiramente…

Como chegar em Puerto Varas?

Há duas possibilidades: Avião ou busão amigo.

Indo via aérea é necessário pegar um vôo até a cidade de Puerto Montt (as companhias aéreas que fazem esse trecho são a LAN e a SKY), que fica a 20 km de lá, e então tomar um táxi ou ônibus. Os ônibus de Puerto Montt a Puerto Varas saem mais ou menos a cada 20 min e custam MUITO barato (cerca 1000 pesos chilenos -6 reais aprox. em fev/2016 – acompanhe a cotação do peso chileno aqui ou aqui), porém há o deslocamento do aeroporto ao terminal, o que talvez acabe não valendo a pena, uma vez que os táxis cobram de 15 a 18 mil pesos (de 80 a 100 reais aprox.- fev/2016).

Ônibus Cruz del Sur
Busão amigo

Outra opção é pegar o busão amigo de Santiago direto a Puerto Varas, assim como eu fiz. Sim, são mais de 1000 km. Sim, isso dá umas 13h de viagem. Sim, é cansativo. Mas sim, valeu a pena e não me arrependi. Várias empresas fazem esse trajeto, mas as principais são Turbus e Cruz del Sur (no site Recorido você pode consultar outras empresas e valores). A última geralmente tem preços mais amigáveis e, por isso, foi a minha escolhida. Pagamos $ 25.000 CLP (pesos chilenos – 130 reais aprox. – fev 2016) cada passagem, com direito até a ‘comissário de bordo’ se certificando de que todos estavam confortáveis, felizes e quentinhos (com os cobertores fornecidos – mesmo esquema de avião) e, claro, bem alimentados de manhã (servem café e lanchinho). Vale dizer que nunca peguei ônibus de muito longas distâncias no Brasil, então não sei como funciona, mas aqui o serviço foi realmente muito bom.

Beleza, você conseguiu chegar. E agora?

Onde dormir em Puerto Varas?

Pesquisando no Booking.com você encontra diversas opções e valores de hospedagem em Puerto Varas, mas já adianto que os principais hotéis são meio salgados. Nós ficamos hospedados numa pousada que não está no booking, o Hostal Carla Minte, que foi indicado pela minha amiga e prof de espanhol (oi, Paula! Obrigada :D). Sinceramente, foi a melhor opção. Pagamos $ 40.000 (230 reais aprox – fev/2016) por noite num quarto duplo com café da manhã (delícia) incluído. A dona Carla, assim como muita gente na região dos lagos, é descendente de alemães e muito boazinha. A pousada tem poucos quartos e é super aconchegante, sem contar que está a uma quadra do lago Llanquihue e a 10 minutos de caminhada do centro de Puerto Varas (como referência, fica pouco atrás do Hotel Cumbres). Não precisa de mais nada.

Puerto varas hotel cumbres lago llanquihue
Vista da nossa janela (sim, esse é o Hotel Cumbres bem na frente do lago Llanquihue)
Hostal Carla Minte Puerto Varas
Frente da pousada (como sou cabeçuda, não tirei foto, aí peguei essa no TripAdvisor)

Bom, espero não ter me esquecido de nada. Em breve teremos posts sobre o que fazer e onde comer na cidade, além dos passeios turísticos, agências e preços. Hasta pronto! Que estén bien!

Obs: Mais informações na página da cidade.

Acompanhe a série de posts sobre a Região dos Lagos: