O que eu faço no Chile, afinal?

Bastante gente me faz essa pergunta, então acho que já passou da hora de eu contar um pouco a respeito do que, afinal, eu faço aqui no Chile (além de comer pra caramba e tirar um monte de fotos hahaha), com que eu trabalho e etc. Então, vamos lá.

Antes de tudo, a pergunta que não quer calar: “Luiza, você viaja de graça?” hahaha. Não gente, infelizmente eu não viajo de graça, nem sou paga para viajar, mas sim, eu trabalho com turismo (também)!

Pra quem não sabe, faço parte do time da Plurality Global Institute, um instituto de idiomas e intercâmbios daqui do Chile. Decidi contar um pouco mais da Plurality aqui pra vocês pra matar um pouco a curiosidade de alguns sobre “o que eu faço aqui” e também servir como dica, pois sei que a maior parte dos seguidores é bem fã do Chile e de Santiago e doido pra vir conhecer ou matar a saudade desse lugar sensacional <3.

Nós trabalhamos basicamente com tudo o que você precisa para passar um período legal e ainda aprender espanhol aqui no Chile (também temos cursos de inglês e Português, mas considerando que meus leitores são, em maioria, brasileiros, melhor focar no Espanhol, ok? Qualquer dúvida que tiverem podem me escrever!).

Por exemplo, se você vai tirar férias, quer viajar e ainda aprender outro idioma, temos cursos intensivos de espanhol já com passeios turísticos e culturais com guias locais e brasileiros (nos primeiros dias é bom alguém que fale a língua da gente caso precise né) pra te levar conhecer Santiago e arredores enquanto pratica o espanhol.

Eu sei que vão achar que tô “puxando a sardinha” pro meu lado hahaha mas garanto que fazemos nosso trabalho com o maior amor possível e uma qualidade sem comparação! Fui cliente da Plurality quando mudei pra cá e podem ter certeza de uma coisa, não entraria pro time se não acreditasse na qualidade, eficiência e profissionalismo A equipe pedagógica tem mais de 20 anos de experiência nos três idiomas, o que facilita muito pra nossa (falo como aluna) aprendizagem, uma vez que é bem mais fácil aprender um idioma novo com um(a) professor(a) que também conhece muito bem o nosso.

“Você dá aulas de português?” é outra pergunta que recebo muito de todo mundo pra quem eu conto onde trabalho. Não, eu não sou professora. Admiro e respeito muito a profissão e, justamente por isso, não acho que eu tenha “dom” nem formação suficiente para isso. Como eu costumo dizer, “deixo essa parte pra quem sabe o que está fazendo” e posso garantir que a equipe pedagógica sabe MUITO bem hahaha. Mas se vierem pra cá, muito provavelmente serei eu quem vai ajudar vocês com a hospedagem, os passeios e até as passagens aéreas se precisarem, ok?

Ah, sabe esse monte de fotos de lugares incríveis que eu vivo postando? Pode deixar que a gente leva vocês pra conhecer! Inclusive, vários desses lugares são parte de passeios já incluídos nos cursos, ou seja, você não paga nada a mais por eles! Legal né?

Não vou ficar aqui contando cada detalhe sobre os cursos e as opções de pacotes disponíveis pra não deixar o post tão grande, mas posso montar outro mais completo depois se quiserem, principalmente contando como foi a minha própria experiência com a Plurality quando cheguei em Santiago!

Deixo pra vocês o site e todas as redes sociais da Plurality! Podem encher a gente de perguntas (em português mesmo) que teremos o maior prazer em responder! Inclusive, fica o convite para virem conhecer nossa ‘oficina‘ (oficina é escritório em espanhol, pra quem tiver curiosidade) quando quiserem! Mandem uma mensagem em qualquer contato (inclusive no Whatsapp) e marcamos um horário pra receber todo mundo!

Página web: http://pluralityglobal.com/ (Caso seu navegador te direcione para o site em espanhol, é só clicar no ícone de Português no canto superior direito, ok?

Facebook: Plurality Global Institute (@pluralityglobal)

Instagram: @pluralityglobal

Whatsapp: +56 9 4532 9494

E-mail de contato: info@pluralityglobal.com

Fico esperando o contato e a visita de todo mundo! São todos muito bem vindos!

Um abraço a todos,

Luiza

Santiago em dois dias – o que fazer?

E aí, bonitinhos? Como vão vocês? Que bom que tudo bem! haha

Bom, desde que me mudei para Santiago, alguns amigos já vieram me visitar e muitos outros dizem que têm vontade ou estão se planejando. Além disso, amigos dos meus pais e tios com viagens marcadas têm me perguntado sobre algumas dicas e sugestões de roteiros. Assim, decidi montar roteirinhos resumidos pra tentar ajudar quem vem visitar essa coisa linda que é o Chile.

Vamos começar por um roteiro express espremido num final de semana, com base na viagem que um casal de amigos fez no mês passado (oi, Má e Dai! :D). Eles haviam comprado um pacote turístico para chegar em Santiago na sexta à tarde e voltar para o Brasil na segunda pela manhã. Assim, tudo tinha que ser bem encaixadinho pra que pudessem aproveitar o tempo ao máximo.

A primeira parada (depois de passar no hotel e ajeitar a bagagem e a si próprios haha) foi o Hard Rock Café, que fica dentro do Mall Costanera (meu shopping preferido em Santiago *-*, sobre o qual falarei em breve). Estávamos os três mortos, então a pedida tinha que ser mesmo algum restaurante/pub/barzinho. Pra quem pretende fazer mais ou menos o mesmo roteiro, outras opções são o Patio Bellavista (praticamente uma galeria de bares e restaurantes) e a Plaza Ñuñoa (não tão visitada pelos turistas, mas também um apanhado de barzinhos muito interessante).

IMG-20160415-WA0010
Porque a vista da Cordillera no verão também é linda <3

No dia seguinte, eu parti pra minha aula de espanhol, faxinas e etc, e Má e Dai foram passear. São várias as opções pra quem quer fazer passeios turísticos em Santiago. No caso deles, optaram por um motorista particular, e conseguiram visitar a Cordillera pela manhã, Cerro San Cristóbal perto da hora do almoço e a vinícola Concha y Toro à tarde.

IMG-20160415-WA0003
Concha y Toro

Sábado à noite chegaram tão mortos que não aguentaram acharam melhor descansar haha. No domingo, saímos passear no centro. Passamos pela Plaza de Armas e a Catedral Metropolitana, e visitamos o Museo de Arte Precolombino, que também fica ali pertinho, no centro mesmo.

museo
Museo de Arte Precolombino

Almoçamos no La Piccola Italia, no centro mesmo, que é um restaurante italiano DELÍCIA, demos mais uma andadinha, e acabou-se o dia.

IMG_20160313_192254496
Felizes de panças cheias haha

A ideia desse post não é fazer com que, quem quer que venha por só um final de semana, faça exatamente esse roteiro, e sim mostrar que é possível conhecer vários lugares, mesmo que em pouco tempo, então vamos ao resumo:

Dia 1 (Vôo chegando à tarde): O passeio à noite poder ser um restaurante ou barzinho legal. No nosso caso, o Hard Rock Cafe.

Dia 2 (Passeios turísticos): Visita à Cordillera pela manhã e vinícola à tarde. Você opta pela vinícola de preferência e, se der tempo, pode conhecer algum cerro, como o San Cristóbal, assim como fizeram o Má e a Dai. Dê uma olhada em alguns passeios no site da Turistik, é uma boa agência e tem muitas opções.

Dia 3 (Passeio na cidade): Falei aqui de passear no centro, pois é a região de Santiago com mais pontos turísticos, mas você pode mudar o bairro ou comuna, ok? Ao redor da Plaza de Armas, você em contra VÁRIOS museus e, se programar direitinho e marcar, da até pra conhecer o Palácio de la Moneda por dentro.

Dia 4 (Volta pra casa): Bom, segunda de manhã já é dia de voltar, então, sem passeios.

Bom, pessoal, espero ter ajudado quem estiver se programando pra conhecer Santiago. Se tiverem alguma dúvida ou sugestão, não exitem (que formal eu) em me escrever, seja nos comentários, no facebook ou no instagram, ok?

Beijos e até! ;*

Puerto Varas: como chegar e onde dormir

Puerto Varas é uma cidadezinha no sul do Chile, mais precisamente na Región de los Lagos (ou VIII Región), a pouco mais de 1000 km “pra baixo” de Santiago, e foi o lugar que eu e meu irmão escolhemos pra passar o réveillon. Como passeamos bastante por lá e pelo alrededor, resolvi montar um pequeno guia do que a gente viu e do que eu acho que vale a pena visitar.

Puerto Varas 1 lago llanquihue

Esse primeiro post será sobre como chegar e onde se hospedar na cidade de Puerto Varas em si que, como vocês podem ver na foto acima, é linda demais *-*. A cidade está à beira do lago Llanquihue, com vista aos vulcões Osorno e Calbuco (esse aqui, que deu trabalho em abril de 2015).

Puerto varas vulcão calbuco lago llanquihue.JPG
Vulcão Calbuco
Puerto varas vulcão osorno lago llanquihue.JPG
Vulcão Osorno

Vamos lá. Primeiramente…

Como chegar em Puerto Varas?

Há duas possibilidades: Avião ou busão amigo.

Indo via aérea é necessário pegar um vôo até a cidade de Puerto Montt (as companhias aéreas que fazem esse trecho são a LAN e a SKY), que fica a 20 km de lá, e então tomar um táxi ou ônibus. Os ônibus de Puerto Montt a Puerto Varas saem mais ou menos a cada 20 min e custam MUITO barato (cerca 1000 pesos chilenos -6 reais aprox. em fev/2016 – acompanhe a cotação do peso chileno aqui ou aqui), porém há o deslocamento do aeroporto ao terminal, o que talvez acabe não valendo a pena, uma vez que os táxis cobram de 15 a 18 mil pesos (de 80 a 100 reais aprox.- fev/2016).

Ônibus Cruz del Sur
Busão amigo

Outra opção é pegar o busão amigo de Santiago direto a Puerto Varas, assim como eu fiz. Sim, são mais de 1000 km. Sim, isso dá umas 13h de viagem. Sim, é cansativo. Mas sim, valeu a pena e não me arrependi. Várias empresas fazem esse trajeto, mas as principais são Turbus e Cruz del Sur (no site Recorido você pode consultar outras empresas e valores). A última geralmente tem preços mais amigáveis e, por isso, foi a minha escolhida. Pagamos $ 25.000 CLP (pesos chilenos – 130 reais aprox. – fev 2016) cada passagem, com direito até a ‘comissário de bordo’ se certificando de que todos estavam confortáveis, felizes e quentinhos (com os cobertores fornecidos – mesmo esquema de avião) e, claro, bem alimentados de manhã (servem café e lanchinho). Vale dizer que nunca peguei ônibus de muito longas distâncias no Brasil, então não sei como funciona, mas aqui o serviço foi realmente muito bom.

Beleza, você conseguiu chegar. E agora?

Onde dormir em Puerto Varas?

Pesquisando no Booking.com você encontra diversas opções e valores de hospedagem em Puerto Varas, mas já adianto que os principais hotéis são meio salgados. Nós ficamos hospedados numa pousada que não está no booking, o Hostal Carla Minte, que foi indicado pela minha amiga e prof de espanhol (oi, Paula! Obrigada :D). Sinceramente, foi a melhor opção. Pagamos $ 40.000 (230 reais aprox – fev/2016) por noite num quarto duplo com café da manhã (delícia) incluído. A dona Carla, assim como muita gente na região dos lagos, é descendente de alemães e muito boazinha. A pousada tem poucos quartos e é super aconchegante, sem contar que está a uma quadra do lago Llanquihue e a 10 minutos de caminhada do centro de Puerto Varas (como referência, fica pouco atrás do Hotel Cumbres). Não precisa de mais nada.

Puerto varas hotel cumbres lago llanquihue
Vista da nossa janela (sim, esse é o Hotel Cumbres bem na frente do lago Llanquihue)
Hostal Carla Minte Puerto Varas
Frente da pousada (como sou cabeçuda, não tirei foto, aí peguei essa no TripAdvisor)

Bom, espero não ter me esquecido de nada. Em breve teremos posts sobre o que fazer e onde comer na cidade, além dos passeios turísticos, agências e preços. Hasta pronto! Que estén bien!

Obs: Mais informações na página da cidade.

Acompanhe a série de posts sobre a Região dos Lagos:

Rolê chileno – Fiestas Patrias

E aí que desde o primeiro post que eu fiz falando algo sobre o Chile (sim, o primeiro de só 2/ sim, o do terremoto) eu to planejando falar alguma coisa sobre as Festas (fiestas) Pátrias chilenas e até agora to aqui empacada. Aí você me diz “aff que assunto zoado…deve ser mó sem graça isso” e eu te respondo: 1- eu falo do que eu quiser aqui; 2- eu realmente achei bem interessante as festas pátrias porque é uma mistura de muita coisa que temos no Brasil.

IMG_0323
Fonda Parque Padre Hurtado 2015

Vamos lá. As fiestas patrias chilenas acontecem nos dias 18 e 19 de setembro (por isso também conhecidas como el dieciocho), sendo basicamente a comemoração da independência do Chile (não vou ficar detalhando o processo todo aqui, mas caso alguém tenha interesse na Wikipedia tem tudo explicadinho, em espanhol). Um adendo: sim, comemoração da independência e muito bem festejada, diga-se de passagem (além de eles acharem esquisitíssimo a gente só ter um feriado, uns desfiles e boa nessa data no Brasil).

IMG_0303
Cueca (sim, é o nome da dança, não me culpem)

O que acontece nesse feriado é que praticamente nenhum tipo de comércio abre e quase toda a população se reúne nas chamadas fondas pra comemorar. Depois de muito quebrar a cabeça, eu concluí que as fiestas patrias são uma mistura de várias datas e comemorações que conhecemos. Vou tentar explicar: as fondas são como se fossem quermesses ou festas juninas (muitas comidas e muitas danças típicas); esse feriado para os chilenos é como se fosse o carnaval pra gente (um feriadão comprido pra comemorar, beber e fazer churrasco); o pessoal considera importante a nível de Natal (famílias reunidas e etc); tem arena de rodeio (mas sem rodeio, óbvio, no lugar dele só apresentações de danças típicas) e por aí vai.

IMG_0347.jpg
Apresentação da ‘Banda Montada’ do exército

Sobre as fondas, ou especificamente a que eu fui: Parque Padre Hurtado

Como eu comentei ali em cima, as fondas são como quermesses. Várias ‘barraquinhas’ de comidas típicas, pessoal enchendo o bucho e a cara e muito terremoto (sim, o drink). E além disso, apresentações de danças típicas de todas as regiões do Chile e, olha, vou confessar, foi MUITO legal, MUITO cultural e bem bonito.

IMG_0186.jpg
Quem disse que no Chile não tem churrasco?

Além das fondas, sempre no dia 18 de setembro acontece o desfile da Escuela Militar (coisa que eu só descobri no dia 19, parabéns pra mim…mas 2016 ta aí pra isso) que começa no centro do Parque O´Higgins e termina na própria Escuela Militar (dá pra se localizar pela estação de metrô – linha 1, vermelha).

Resumindo: É um porre visitar um lugar e pegar um feriado desses que o país para mas, caso você vá parar no Chile nas fiestas patrias, não dispense uma fonda.

IMG_0351
Pessoas felizes bailando la Cueca

Pra quem quiser saber mais, recomento posts do Pigmento F (a Fê é brasileira e mora em Santiago e o blog dela é cheio de dicas e muito bem escrito) e do Viaje na Viagem (blog muito bom e tem dicas de quem não mora aqui).

Beijos e, caso venham, espero que gostem 🙂

Rolê chileno – Terremoto (oi?)

Boa taaaaarde de sábado!

Sim, é isso mesmo que você leu. O rolê sobre o qual falaremos hoje é novamente terremoto, mas dessa vez, estamos falando de uns bons drink. Terremoto é um drink tipicamente chileno e MUITO tomado nas chamadas festas pátrias chilenas (um feriado que teoricamente acontece nos dias 18 e 19 de setembro, mas na verdade dura uma semana hahaha logo vai rolar post explicando melhor).

Dizem que o tal drink foi inventado pouco depois de 1985 (ano em que o Chile enfrentou um terremotos um tanto quanto violento, daí o nome) e, desde então, virou quase obrigatório nas celebrações das fiestas pátrias da tradicional família chilena.

Mas, chega de blá blá blá porque eu sei que o que interessa aqui é a receita, afinal hoje é sábado e vocês são um bando de alcoólatras pessoas sedentas por conhecimento, novidades, cultura e etc.

4

Para fazer um terremoto você vai precisar de:

  • Placas tectônicas instáveis (há! Ok, parei…)
  • Vino pipeño (é um tipo de vinho branco menos filtrado. Acredito que não se encontre tão fácil no Brasil, mas acho que qualquer vinho branco serve, inclusive acho que deve dar muito certo com jurupinga, considerando que é mega doce) – aprox 400 ml.
  • Granadina (usem groselha, sério.) – sabe quanto é uma golada? Então, põe +- isso.
  • Sorvete de abacaxi – um montão pra ser feliz, afinal sorvete nunca é demais.

Aí, o que você faz, coloca gentilmente tudo num copo enorme, da uma mexidinha de leve e toma! Simples assim.

img_terremoto_6_45319_600
Fica mais ou menos assim.

Obs¹: Procurei na net uma receita “oficial” pra postar aqui, mas encontrei trocentas diferentes.Pelo que entendi, dependendo da região, o pessoal agrega (ou substitui a granadina) fernet (licor amargo), rum ou conhaque, mas é dispensável.

Obs²: A medida de 400 ml é chamada terremoto. Menos que isso, é só uma réplica (a tradição manda tomar um grande e depois outro menor, tente sobreviver). Maior que 400 ml (chega a 1L, acreditem!) seria um cataclismo hahaha, adoro esses chilenos!

Obs³: Não, as réplicas do terremoto do dia 16 ainda não acabaram. Ontem era quase meia noite e meu apê todo balançava, eeeeebaa, só que não ¬¬.

resize
Embalagem de Granadine que já vem com a receita!

Bom, é isso aí! Se alguém fizer (e sobreviver), me contem!

Beijos,

Luiza

Rolê chileno – Terremoto

Sabe…desde que comecei o blog, mesmo com a intenção de só falar baboseiras abrir o coração conversar um pouco aqui, eu já queria aproveitar o espaço pra contar coisas interessantes que eu fosse conhecendo aqui no Chile. Só não achei que fosse começar justo pelo terremoto. Sim, meu povo, EU SOBREVIVI AO TERREMOTO!!! *momento aplausos fervorosos* Obrigada, obrigada! E, já que to aqui (depois explico onde e pq haha), resolvi escrever pra contar como foi o rolê todo.

Estava eu, calma (por increça que parível) e feliz no pc quando, de repente, o chão começou a tremer. Pensei “êta porra, ta chacoalhando essa budega!” e “bom, vamos esperar e ver no que dá”. Só que a porcaria toda só foi aumentando e eu resolvi arrancar meu aquecedor da tomada e ir abrir a porta pra ver o que estava rolando. Antes de qualquer coisa, vale dizer que é super comum ter tremores (ou temblores) aqui. Vide imagem abaixo (não precisa falar espanhol galera, bom senso basta. Se bem que acho que está mais fácil achar gente poliglota que com bom senso, mas paciência):

2w7pwti

Pois então, quando uma vez me perguntaram “mas Luiza, vem cá…o que você faz se o bagulho começar a tremer?”, eu disse “o óbvio, abro a porta do apê e vejo o que os chilenos estão fazendo…eles devem manjar dos paranauês…”. O que eu fiz quando começou a tremer? Abri a porta e olhei os chilenos. E o que os chilenos fizeram? Abriram as portas e ficaram se olhando!! Olha que coisa mais linda, minha gente! Ninguém fez poooorra nenhuma. Aí eu, em meio ao desespero e ao som de espelhos e quadros batendo na parede e madeiras rangindo, virei pra vizinhos q não conhecia e comecei a trocar ideia pq né, pelo menos distraía. Não sei muito bem o que eu falei mas deve ter saído um diálogo +- assim (assuma L como eu e V como algum vizinho qualquer):

L: E aí gente? Tudo certo? Tá tremendo essa merda né?

V: Puts, verdade…tá tremendo.

L: É que eu sou brasileira, nunca senti um tremor, to meio perdida. O que a gente faz agora? Espera?

V: Tipo isso, espera.

L: Hmmm. Esperemos então né.

E nesse meio tempo a COISA TODA CHACOALHAVA! Mas, na real, eu moro no DÉCIMO andar. Não tem pra onde correr e não, eu não deixei uma corda suficientemente longa na sacada pra descer de rapel. Aí beleza, depois dos 2 minutos mais longos da minha vida, “êpa! Parou!!”. Todas comemora, ri, quase se abraça, liga pros parente pra ver se ta todo mundo bem, os parente liga, o povo da empresa liga, todo mundo se diverte, a adrenalina toma conta do sangue e você já ta ligando pra sua família no Brasil gritando “caraaaaalhooooooo, vivi um terremotooooooo, bagulho doidoooooooooooo” e, antes mesmo de terminar a frase, o que acontece? O chão do seu apê vira gelatina de novo! E o que você faz? “AHHHHHHHHHHHHHH MEU DEUSSSS, DE NOVO NÃAAAAOOOO!!!!!!!! ME AJUUUUDA! NÃO ME LEEEEEEEEVA, SOU MUITO JOV…êpa..foi réplica suave hahaha como sou tonta…alô, pai? tremeu de novo mas noossa, super suussa, da nad…pera pai, ta tremendo…pai, vou desligar pq ah…vai que o pessoal da empresa liga né..hehe” e aí vem de novo…e com vontade, meu bem! Você só não se desespera no celular porque né, sua família não precisa infartar no Brasil assim de graça.

A essa altura do campeonato até o Jornal Nacional já falou do terremoto e, quando a chacoalhadeza toda pára, você só quer dar seu depoimento a TODAS AS PESSOAS QUE VOCÊ CONHECE! Aí os vizinhos que viveram com você todas essas atribulações te falam “Améegah, nós vamos sair. Se você quiser companhia pra descer, vamos com a gente, aí você fica la embaixo um pouco, é melhor” (porque já não se podia usar elevador – geralmente não tem energia – e eram 10 andares de escada sozinha). O que eu fiz? Desci com meus cólegas, óbvio. Eles “nossa, no Brasil não tem tremor?” “ãhn, não” “o que tem? tipo tsumani?” “ãhn, na verdade não tem nada dessas coisas amégah, no máximo umas chuvas bem fortes…por isso a gente morre de medo hehe” “ah entendi hehe”. Pausa para um comentário: Chilenos em geral MORREM de medo de tudo que tenha relação com chuva. O que se torna hilário considerando todas as catástrofes naturais desse país. Trovão? É um pré apocalipse. Juro. De verdade. HAHAHAHA COMO PODEEEEEE? Mas enfim, cada medroso na sua, eu tava morrendo com o terremoto com todo mundo, então não vou julgar os temores nem tremores de ninguém (baduntsss).

Por fim, descemos. Cheguei na recepção e já parecia uma quermece. Famílias com bebês, crianças correndo e trombando em geral, todo mundo querendo ouvir rádio/ler notícia/falar com parentes e amigos e etc. E ali (aqui) fiquei por mais de uma hora, quando o porteiro disse: “Galere, seguinte, vou liberar o elevador só pra subir. Vou com vocês, mas depois que subir todo mundo, desligo de novo e, se der ruim no meio da noite, só escada, fechou? Ah, durmam com as portas ABERTAS, não só destrancadas. Se dá um tremor mais forte as portas travam e aí complica, ok?”. Meu pensamento nesse momento: “Puts, porta aberta, amigo? Porta travando? E MAIS FORTE ainda? Você não está me acalmando assim, amigo!” E mais uma vez, esperei. Depois que subiu todo mundo quase e já não estava tremendo há mais de uma hora, subi com uma turminha. Entrei no apê ainda com as pernas bambas. Aí eu tremia e achava que era o apê, o apê tremia e eu achava que era eu mesma e assim foi. Enquanto gravava áudios contando a história pra meio mundo, a coisa começava a terremotear de novo e rolava uns “êpa…pera…ta tremendo de novo…ai meu Deus…chega, vai, por favor??!!..passou”. Depois de uns 2 ou 3 tremores razoáveis, falei “quer saber, já vi que não vou dormir mesmo…vou trocar de roupa e descer com tudo que eu preciso para sobreviver uma noite e ficar por lá até me sentir segura”. E aqui estou, na recepção, num frio do caramba. E por que? Porque eu sou medrosa mesmo! E a cada répliquinha que vem, eu agradeço por estar aqui embaixo hahaha. Na mochila botei tudo que eu tinha de eletrônico, documentos e dinheiro porque vai que…opa, tremendo de novo! Essa foi forte, portas batendo e tal. Pelo menos estou no térreo, perto da rua, qualquer coisa é só correr! (juro que tremeu de verdade num momento muito apropriado para o post hahaha).

E acho que é isso meu povo! Boa noite sem sono pra mim haha. E pra quem (como eu tinha) tem vontade de ver como é um terremoto, abandona essa ideia aí que é rolê errado. Eu falava que tinha curiosidade (e realmente a adrenalina rola, como comentei) mas não é nada legal essa porcaria de ficar voltando e voltando. O que eu aprendi sobre terremotos? Que a gente deve ficar perto da porta. E rezar. Não muito mais que isso. Anyway, histórias pra contar pelo menos haha.

Beijos!

Update 18/09: Fiquei na recepção até quase 3 da manhã. O último tremor forte foi esse que rolou enquanto eu escrevia o post haha (era +- 1:15 AM). Depois disso, subi e dormi no sofá, de roupa e tênis, com a porta aberta e minha mochila de emergência do lado haha. Hoje durante toda a manhã houve VÁRIOS tremores mas beeeem suavezinhos, então está tudo ok! haha

Obs: Pra quem tiver curiosidade, parece que foi um terremoto de magnitude 7.5 aqui em Santiago. Na costa do Chile passou de 8.3 e estão evacuando a área por alto risco de tsunami. Infelizmente, apesar das brincadeiras no meu texto, o terremoto foi realmente forte e houve mortos e feridos. Deixo abaixo links de reportagens com mais detalhes:

Em português:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/forte-terremoto-chile.html

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/terremoto-no-chile-brasileiros-no-pais-relatam-correria-tremor.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/09/16/terremoto-de-magnitude-79-atinge-o-chile-internautas-brasileiros-relatam.htm

Em espanhol:

http://www.t13.cl/noticia/nacional/minuto-minuto-shoa-establece-alarma-tsunami-todo-borde-costero

http://www.biobiochile.cl/2015/09/16/minuto-a-minuto-victimas-danos-y-evacuacion-masiva-tras-terremoto-en-el-norte-de-chile.shtml

http://www.cnnchile.com/noticia/2015/09/16/gobierno-decreto-zona-de-catastrofe-tras-terremoto